Qual o melhor colchão para as minhas costas?

Uma das perguntas mais frequentes dos pacientes para os médicos especialistas em coluna é qual o melhor colchão para as minhas costas. Nós passamos cerca de 1/3 da nossa vida na cama, e mesmo assim muitas pessoas desconsideram o efeito disto na nossa coluna. Dormir sobre um colchão ruim pode levar à uma postura desequilibrada, levando ao aumento da dor lombar e privação de sono. Isto pode não só levar a lombalgia, mas também afetar a saúde como um todo.

Muitos pacientes perguntam se uma marca de colchão é superior ou melhor para a saúde da coluna. Apesar dos anúncios o levarem a acreditar que sim, não há bons estudos atualizados que documentem qual marca de colchão melhoram a qualidade do sono e diminuam os problemas com a coluna. Existem, entretanto, algumas dicas e guias que você pode seguir para facilitar sua escolha.

Em alguns aspectos, a escolha do colchão segue uma preferência individual, mas é importante encontrar um equilíbrio entre o conforto e a sustentação adequada das costas. O colchão deve ser firme o suficiente para prevenir que você afunde, ao mesmo tempo que macio o suficiente para se adaptar às curvas normais do corpo. O objetivo é encontrar um colchão que mantenha a coluna em uma posição equilibrada. Colchões muito firmes podem causar pressão em pontos mais salientes do corpo enquanto que os muito moles causam estresse nos tecidos moles como os músculos e ligamentos, levando a um alinhamento ruim. Um colchão com sustentação e conforto irá propiciar que suas costas descansem durante a noite.

Tente aprender você mesmo sobre os tipos de colchão e seus componentes. Não hesite em perguntar. Sustentação ou firmeza em um colchão é normalmente fornecido por molas internas. Estas são distribuídas em diversos padrões dentro do colchão para criar diferentes níveis de sustentação. O acolchoamento interno e no topo do colchão também influenciará no conforto.

Avalie se o seu colchão atual precisa ser substituído. Em geral, colchão são bem caros, mas é um investimento relativo para a saúde da sua coluna. Verifique a superfície e o contorno do seu colchão atual. Flacidez visível é uma indicação de uma possível substituição. Vire e rode o seu colchão a cada 4-6 meses para assegurar um desgaste homogêneo em todas as superfícies.

Altos preços nem sempre significam melhor qualidade ou melhores resultados. Apesar de que colchões mais grossos com mais molas e acolchoamento tendem a ser mais caros, isto não garante melhores resultados. Se possível, verifique a sustentação e a postura primeiro, o preço vem em segundo. Não se influencie por anúncios. Como dito anteriormente, não há estudos médicos sérios e significativos que apoiem algum tipo específico de colchão. Etiquetas que dizem “colchão ortopédico” e “cientificamente comprovado” sempre irão influenciar consumidores a comprar o produto.

Se possível, experimente antes. Se o colchão será utilizado por duas pessoas, tenha certeza que os dois testem na loja ao mesmo tempo. Em geral, lojas tem regras para testes e devolução, logo, tenha certeza sobre elas antes de comprar para uma potencial devolução se não estiver satisfeito.

Preste atenção no seu travesseiro também. O travesseiro deve sustentar seu pescoço e permiti-lo descansar em uma posição equilibrada, centrado sobre o tórax e ombros. Usar mais de um travesseiro frequentemente tira a cabeça de uma posição equilibrada, causando dor no pescoço e nos ombros.

Garantir uma boa noite de sono é importante, não apenas para a saúde da sua coluna, mas para seu corpo como um todo. Apesar de existirem fatores de difícil controle para manter uma postura confortável, seu colchão é algo que pode ser modificado para melhorar a qualidade do seu sono e controlar problemas nas costas e pescoço. Esta pode ser uma medida que melhorará sua qualidade de vida.

O que é escoliose?

Escoliose é uma alteração tridimensional do alinhamento da coluna vertebral. Diferente da Lordose e da Cifose, que são condições normais para os indivíduos, a Escoliose é considerada uma doença. A principal curva na Escoliose se dá no eixo coronal, ou seja, quando olhamos alguém de costas e notamos um encurvamento da coluna, seja na região torácica ou lombar. A forma mais comum é a Escoliose Idiopática do Adolescente, que na sua maioria acomete as meninas entre 10 a 14 anos, mas também pode ser encontrada em meninos. Da mesma maneira, escolioses são frequentemente encontradas de forma leve, que não necessita de nada além de observação médica, poucas irão necessitar da ajuda externa de um colete, e aquelas que precisarão de tratamento cirúrgico compõem a minoria. Muitas das escolioses são notadas pelos pais, familiares ou amigos em situações em que a criança esta sem camisa, na praia ou piscina. Algumas são detectadas em triagens escolares para a doença. Em qualquer uma destas ocasiões, procure a avaliação de um ortopedista ou pediatra. Se necessário, ele irá encaminhar para um Médico Especialista de Coluna que irá definir o tratamento correto. A avaliação do especialista em coluna é importante porque algumas escolioses não seguem o padrão usual, e podem ter origem em doenças neurológicas ou por alterações congênitas da formação da coluna. Estes casos requerem atenção especial pois podem ser mais agressivos e progredirem com mais rapidez. Escoliose tem tratamento com ótimos resultados, porém, o diagnóstico deve ser feito cedo e o tratamento deve ser instituído de imediato. Procure sempre um médico Especialista em Coluna para a correta avaliação de diagnóstico e definição de tratamento.

Dra, estou com “olho de peixe “!!

Os famosos “olho de peixe” são, nada mais que,  VERRUGAS  !

As verrugas são lesões de pele muito comuns, principalmente na infância.

Causadas por vírus da família HPV, são transmitidas por contato direto. Por exemplo, em situações como contato ‘pele a pele ‘ com alguém com verruga, contato com algum objeto que esteve em contato com a verruga de alguém – uso de mesmo sapato, pisar no chão de vestiários/academias/hotéis…

A aparência é de pequenas bolinhas rugosas da cor da pele, também podem ser enegrecidas ou ter pontinhos negros. Algumas são lisas e outras, afiladas. Não costumam coçar, algumas podem doer ( principalmente nos pés). Geralmente aparecem em grupos e costumam aparecer nasplantas dos pés, nos dedos das mãos, ao redor das unhas, na área da barba, joelhos. ( Não falarei sobre as verrugas genitais neste texto)

O diagnóstico é pelo exame do dermatologista. Que pode fazer uso do exame de dermatoscopia e até mandar par análise pelo patologista, se necessário. As lesões podem ser confundidas com calos, pintas e até alguns tipos de câncer de pele.

A maioria das verrugas são de tipos inofensivos e tendem a desaparecer com o tempo. No entanto, é importante tratar para evitar a contaminação de outras pessoas, assim como evitar apropagação para outras partes do corpo na MESMA pessoa .

Como o problema é causado por vírus, não há um medicamento que se use e provoque a “cura” imediata. É o sistema imunológico da pessoa que irá combater o vírus. Assim, são super importante hábitos de vida saudáveis: comer bem , dormir bem, evitar estresse…para melhorar a imunidade.

No consultório, podemos agilizar esse processo através das cauterizações, crioterapia com nitrogênio líquido, raspagens e eletrocirurgia. Nos casos resistentes, é possível usar laser. Em casa, o paciente pode usar produtos de passar específicos que também aceleraram a recuperação – a base de ácido salicílico, imiquimode.

Lixar as lesões após o banho ( e jogar a lixa fora depois do uso…) também ajuda.

Todas essas medidas irão funcionar na medida em que irritam a pele com a verruga e chamam a atenção do sistema imunológico. Dessa forma, as células de defesa chegam até o local com melhor eficácia.

É arriscado usar produtos que congelam ou tratam verrugas sem orientação médica.Principalmente porque o diagnóstico deve ser feito ANTES do tratamento. Imagine congelar um câncer de pele, achando que é apenas uma verruga ?!?! Já vi isso acontecer, infelizmente…

“Ganha quem tem mais paciência: o paciente, o médico ou a verruga !!! ” Pois, às vezes, são necessárias muitas sessões de tratamento. O importante é começar !!

Criolipólise

A criolipólise é um tratamento de altatecnologia que consiste no CONGELAMENTO DE CÉLULAS DE GORDURA, com posterior redução de medidas no local. Sem agulhas,anestesia ou cirurgia. Desenvolvido em Harvard (EUA), tem feito sucesso no mundo inteiro ao longo dos últimos anos.

O QUE ESPERAR DE RESULTADOS?

Redução de 20-25% da gordura da região tratada, a cada sessão.

QUEM PODE FAZER?

  • A pessoa que tem uma boa dieta e hábitos e exercícios físicos e que tem alguma região com GORDURA RESISTENTE.
  • A pessoa que ainda não tem hábitos regulares de exercícios ou dieta adequada, mas que quer um estímulo para começar a emagrecer.

EM QUAIS LOCAIS DO CORPO SE FAZ?

PNEUZINHOS (LOMBAR), ABDOME, CULOTES, INTERNO DE JOELHOS, INTERNO DE COXAS, BRAÇOS, PAPADA, GORDURA DO SUTIÃ. Os aplicadores são ajustados à diversas partes do corpo.

COMO É A APLICAÇÃO?

Os aplicadores são acoplados nas regiões a serem tratadas por, em média, 60 MINUTOS. Eles puxam a pele e a resfriam. Geralmente, se faz 2 a 4 áreas no mesmo dia.

EM QUANTO TEMPO VEJO RESULTADO?

Os resultados finais são observados em até 2 A 4 MESES. Principalmente através da frouxidão nas roupas. Por isso, quem quer estar pronto para o verão, AGORA É O MOMENTO IDEAL PARA FAZER PARA FAZER O TRATAMENTO …

POSSO REPETIR A APLICAÇÃO?

Sim, APÓS 3 MESES. Porém, o que nota-se na prática, é que as pessoas preferem fazer em diferentes áreas, para se obter o tão sonhado “corpo esculpido”.

É SEGURO?

Já existem estudos científicos comprovando que é seguro, não há elevação de colesterol ou triglicérides no sangue – porque o tratamento ocorre através processo lento e gradual ( demora até 2 meses) . Já há liberação do FDA e ANVISA.

DÓI?

A sensação é de descomforto, um “PUXÃO”, mas bem tolerável. Não necessita uso de anestésicos ou analgésicos antes ou depois. Nas semanas seguintes, podem-se notar dormência e formigamento temporários na pele da região tratada.

EXISTE ALGUMA PREPARAÇÃO ANTES DA APLICAÇÃO?

Não.

QUAIS AS ORIENTAÇÕES APÓS A APLICAÇÃO?

A pessoa retoma suas atividades rotineiras imediatamente, no mesmo dia.

Ingerir bastante líquido, fazer sessões de drenagem linfática, aumentar prática de exercícios aeróbicos e melhorar a dieta.

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE AS VÁRIAS MÁQUINAS NO MERCADO?

Você vai encontrar tratamentos com preços muito diferentes na sua cidade. Isso depende principalmente da MÁQUINA UTILIZADA ( O QUE VAI INTERFERIR DIRETAMENTE COM OS RESULTADOS E NA SUA SEGURANÇA) E DO PROFISSIONAL que aplica ( se têm supervisão médica).

Muitas vezes, O BARATO SÁI CARO … pense nisso !!!

Doutora, Abriu uma clareira na minha cabeça !

De repente, você passa a mão na cabeça e sente que caíram todos os fios em uma

região. E agora ??

Isso pode ser “ ALOPÉCIA AREATA”.

É uma doença REPENTINA, que cursa com queda dos fios em algumas regiões do couro cabeludo ou corpo.

Geralmente, a área com falha de pêlo é bem delimitada, arredondada e acontece, na maioria das vezes, no COURO CABELUDO, ÁREA DA BARBA, sobrancelhas ou cílios.

Mais frequente nos homens, com idade entre 15 e 30 anos.

Não se sabe a causa exata, mas suspeita-se de associação com fatores emocionais ( ESTRESSE), INFECÇÕES ( micoses, infecções dentárias, herpes…), traumas (batidas, ciriugias recentes)… Pessoas alérgicas, com doenças de tireóide, vilitigo e que tenham parentes com alopecia areata também têm maior chance de ter esse problema.

O DIAGNÓSTICO É NA CONSULTA COM O DERMATOLOGISTA. Ele fará um exame que se chama dermatoscopia. Verá a necessidade de realizar biópsia ou tricograma. Pedirá alguns exames de sangue para descartar outras doenças auto-imunes.

A notícia boa é que a maioria das pessoas apresenta RESOLUÇÃO ESPONTÂNEA do problema entre 2 E 6 MESES.

A notícia ruim é que há chance de RECIDIVAR. Então, que já teve, fique sempre de olho e CORRA PARA O CONSULTÓRIO assim que achar que houve nova queda dos fios.

O tratamento pode ser com cremes contendo corticóides, infiltração de medicamentos injetáveis , crioterapia, medicamentos via oral ( corticóide). Vão ajudar a parar o processo inflamatório e acelerar o crescimento dos fios.

Mais importante de tudo: paciência !! Quanto mais nervosa a pessoa fica, mais estressada e maior a chance de piorar o problema. Difícil, não é ??? Passado o susto e o desespero inicial, procure o dermatologista !!

Qual o melhor colchão para as minhas costas?

Uma das perguntas mais frequentes dos pacientes para os médicos especialistas em coluna é qual o melhor colchão para as minhas costas. Nós passamos cerca de 1/3 da nossa vida na cama, e mesmo assim muitas pessoas desconsideram o efeito disto na nossa coluna. Dormir sobre um colchão ruim pode levar à uma postura desequilibrada, levando ao aumento da dor lombar e privação de sono. Isto pode não só levar a lombalgia, mas também afetar a saúde como um todo.

         Muitos pacientes perguntam se uma marca de colchão é superior ou melhor para a saúde da coluna. Apesar dos anúncios o levarem a acreditar que sim, não há bons estudos atualizados que documentem qual marca de colchão melhoram a qualidade do sono e diminuam os problemas com a coluna. Existem, entretanto, algumas dicas e guias que você pode seguir para facilitar sua escolha.

         Em alguns aspectos, a escolha do colchão segue uma preferência individual, mas é importante encontrar um equilíbrio entre o conforto e a sustentação adequada das costas. O colchão deve ser firme o suficiente para prevenir que você afunde, ao mesmo tempo que macio o suficiente para se adaptar às curvas normais do corpo. O objetivo é encontrar um colchão que mantenha a coluna em uma posição equilibrada. Colchões muito firmes podem causar pressão em pontos mais salientes do corpo enquanto que os muito moles causam estresse nos tecidos moles como os músculos e ligamentos, levando a um alinhamento ruim. Um colchão com sustentação e conforto irá propiciar que suas costas descansem durante a noite.

         Tente aprender você mesmo sobre os tipos de colchão e seus componentes. Não hesite em perguntar. Sustentação ou firmeza em um colchão é normalmente fornecido por molas internas. Estas são distribuídas em diversos padrões dentro do colchão para criar diferentes níveis de sustentação. O acolchoamento interno e no topo do colchão também influenciará no conforto.

         Avalie se o seu colchão atual precisa ser substituído. Em geral, colchão são bem caros, mas é um investimento relativo para a saúde da sua coluna. Verifique a superfície e o contorno do seu colchão atual. Flacidez visível é uma indicação de uma possível substituição. Vire e rode o seu colchão a cada 4-6 meses para assegurar um desgaste homogêneo em todas as superfícies.

         Altos preços nem sempre significam melhor qualidade ou melhores resultados. Apesar de que colchões mais grossos com mais molas e acolchoamento tendem a ser mais caros, isto não garante melhores resultados. Se possível, verifique a sustentação e a postura primeiro, o preço vem em segundo. Não se influencie por anúncios. Como dito anteriormente, não há estudos médicos sérios e significativos que apoiem algum tipo específico de colchão. Etiquetas que  dizem “colchão ortopédico” e “cientificamente comprovado” sempre irão influenciar consumidores a comprar o produto.

         Se possível, experimente antes. Se o colchão será utilizado por duas pessoas, tenha certeza que os dois testem na loja ao mesmo tempo. Em geral, lojas tem regras para testes e devolução, logo, tenha certeza sobre elas antes de comprar para uma potencial devolução se não estiver satisfeito.

         Preste atenção no seu travesseiro também. O travesseiro deve sustentar seu pescoço e permiti-lo descansar em uma posição equilibrada, centrado sobre o tórax e ombros. Usar mais de um travesseiro frequentemente tira a cabeça de uma posição equilibrada, causando dor no pescoço e nos ombros.

         Garantir uma boa noite de sono é importante, não apenas para a saúde da sua coluna, mas para seu corpo como um todo. Apesar de existirem fatores de difícil controle para manter uma postura confortável, seu colchão é algo que pode ser modificado para melhorar a qualidade do seu sono e controlar problemas nas costas e pescoço. Esta pode ser uma medida que melhorará sua qualidade de vida.

Doutor, tenho Lordose, Cifose e Escolisose!! O que fazer???

Essa é uma queixa frequente nos consultórios de ortopedistas, mais ainda no do especialista em coluna. O paciente vem ao médico agoniado porque algum familiar ou outro profissional o avaliou e de cara já deu esses três diagnósticos e o transformou em três novos problemas.

A boa notícia é que pelo menos dois desses problemas já estão resolvidos logo de cara. LORDOSE e CIFOSE estão presentes em todos os seres humanos, o problema seria não tê-las!! Para manter o equilíbrio da coluna e da marcha, o ser humano desenvolveu, quando se olha de lado para uma pessoa, uma LORDOSE cervical, uma CIFOSE torácica e uma LORDOSE lombar… curvas fisiológicas na coluna e totalmente normais em qualquer pessoa. Algumas pessoas podem ter essas curvas um pouco mais acentuadas, mas a grande maioria dentro da normalidade. Quando elas são MUITO acentuadas, aí sim podem se tornar um problema, a HIPERCIFOSE ou HIPERLORDOSE.

A ESCOLIOSE, por sua vez, já configura uma alteração no equilíbrio da coluna. Ela pode ser notada ao observar uma pessoa de costas com desalinhamento em uma coluna que deveria ser reta, inclinação nos ombros ou na pelve, ou a formação de uma “corcunda” ou “giba” nas costas. O diagnóstico preciso da gravidade e do tipo de escoliose só será feito após consulta com especialista e exame de imagem. A boa notícia é que na grande maioria dos casos, a curva é tão pequena e não configura ESCOLIOSE (menos de 10 graus), e mesmo naquelas com mais de 10 graus, a maioria não atinge gravidade suficiente a ponto de necessitar intervenção. O ideal é sempre consultar um especialista no assunto para definir o diagnóstico !!

Para outras dúvidas, consulte sempre um especialista credenciado !!

Dor nas Costas ??? Cuide bem de sua coluna !!

A coluna vertebral é o eixo central de sustentação do corpo e todas as suas 24 vértebras independentes fazem esta estrutura complexa ser bastante móvel, além de protegerem em seu canal vertebral a medula espinhal e suas raízes nervosas. Entretanto, em algum momento da vida, lombalgias ou dores nas costas irão atingir cerca de 80% da população.

  A grande maioria dos problemas resulta de má-postura, biomecânica ruim, rotina de vida e trabalho estressantes, perda de força e flexibilidade, além da piora geral da saúde e do condicionamento físico.

  Todos esses fatores provocam estiramentos musculares que geralmente melhoram rápido em algumas semanas com medicação, bolsas de calor e gelo, alguns exercícios e fisioterapia. A prevenção irá se basear na investigação da causa, correção postural, uso de colchão e travesseiros ortopédicos, melhora do condicionamento físico, aprimoramento da qualidade nutricional, controle de estresse emocional diário, respeito às horas de sono e parar de fumar.   Quando dura mais de três meses, a lombalgia se torna crônica e pode indicar algum dano mais sério como hérnia de disco, estenose vertebral e doença degenerativa do disco e óssea. Dependendo da causa, o tratamento cirúrgico pode ou não ser indicado.

  Para isso é essencial uma avaliação e um plano terapêutico liderado por um médico ortopedista, de preferência especialista em coluna. Os procedimentos cirúrgicos irão se basear na remoção da causa de compressão das estruturas neurais e estabilização dos segmentos vertebrais dolorosos e degenerados.

  A evolução da cirurgia de coluna nas últimas décadas a tornou menos traumática, menos invasiva e mais segura, possibilitando um retorno rápido e confortável ao trabalho e às atividades diárias.

Congresso Americano de Coluna / Congresso Brasileiro de Coluna

Novembro é sempre um mês agitado para os especialistas em coluna. Em geral, é por volta desta época que acontece o Congresso Americano de Coluna (NASS), que neste ano foi realizado em Chicago; o Congresso Brasileiro de Coluna , que foi realizado em Belo Horizonte; e também a prova de título para os novos especialistas em coluna do Brasil. Nos dois congressos o Dr. Nelson foi bastante participativo e apresentou trabalhos em forma de tema livre, em especial, no Congresso Brasileiro, foi eleito por meio de votação nacional como membro do Conselho Fiscal da Sociedade Brasileira de Coluna. Esteve presente também na prova de título de especialista como examinador dos candidatos.